FATOS SOBRE A INQUISIÇÃO QUE A ESQUERDA NÃO QUER QUE VOCÊ SAIBA

Professor o Prof. Agostino Borromeo do Departamento de História e responsável pela edição do documento apresentado nos Anais do Simpósio Internacional sobre a Inquisição negou algumas das falsidades promovidas pela "lenda negra "da Inquisição. 

Na entrevista, o professor de História na Universidade Sapienza de Roma e diretor do Instituto Italiano de Estudos Ibéricos, falou sobre o volume de 800 páginas contém as conclusões de 60 historiadores e especialistas de todo o mundo. 

Borromeo disse ao jornal espanhol que o trabalho apresentado "quebra o estereótipo de que o réu quase sempre terminava na fogueira". 

Ao especificar esta primeira contribuição da pesquisa, Borromeo disse que "o processo penal contra os hereges começa em 1231 e termina com a abolição da última Inquisição de Roma em 1870, em que cada uma possuia características diferentes em diferentes países e épocas. A Inquisição espanhola era muito ativa e não foi abolida até 1834 em que foram julgados cerca de 130 mil pessoas, das quais foram condenados à morte menos de dois por cento ". 

"Por um longo tempo falou-se de 100 mil execuções uma figura totalmente irrealista. Embora houvesse penas de prisão e de morte a maioria das sentenças eram espirituais: Peregrinações, penitências, orações, etc. ", disse o professor. 

Questionado sobre as penalidades estabelecidas pela Inquisição em outros países, Borromeo disse que "entre 1551 e 1647, o tribunal italiano condenou à morte apenas 0,5 por cento dos julgados. Em contraste, com os 13000 dos 255 julgamentos da Inquisição Portuguesa entre 1450 e 1629 que resultou em 5,7 por cento de sentenças de morte. 

A este respeito, Borromeo disse que "é verdade que havia também muitos condenações de pessoas mortas, caso em que os ossos foram exumados e queimados. Mas os números de pessoas condenadas depois de mortas nas várias cortes ao longo da história é de cerca de 2 por cento. " 

Quando perguntado sobre a tortura, professor de La Sapienza disse que além da questão da existencia, este problema foi "a segunda surpresa." 

"Nós descobrimos que torturas eram aplicadas em menos de 10 por cento dos processados ​​e eram sempre muito mais benignas em julgamentos civis. 

Agostino Borromeo explicou mais tarde que "não é a mesmo a Inquisição espanhola e a medieval dos séculos XVIII e XIX, quando as pessoas eram muito mais sensíveis à injustiça. Na Idade Média, a Inquisição era muito popular porque retratava o herege como um inimigo, um perigo. E a pena de morte era então muito normal". 

No seu livro o Prof. Agostino Borromeo, afirmou que cerca de 125 mil pessoas foram investigadas pela Inquisição espanhola, das quais 1,8% foram executadas (2.250 pessoas). A maioria dessas mortes ocorreram na primeira década e metade dos 350 anos de história da Inquisição. Em Portugal dos 13 mil julgados no século 16 e início do século 17, 5,7% foram condenados à morte. Os registros não informam a maior percentagem de que em Portugal incluia-se aqueles condenados à morte em efígie (ou seja, uma imagem queimada em vez da pessoa real).

Por exemplo, o historiador Gustav Henningsen informou que tabulações estatísticas de 50.000 casos registrados tentados por dezenove tribunais espanhóis entre 1540-1700 encontraram 775 pessoas (1,7%) foram efetivamente executadas enquanto outros 700 (1,4%) foram sentenciados a morte em efígie ("El" Banco de Dados do Estado Civil: As relações de causas da Inquisição española, 1550-1700 ", BRAH, 174, 1977). O historiador judeu Steven Katz comentou sobre a Inquisição Medieval que "na sua totalidade, a Inquisição do século XIII e XIV fizeram com que poucas pessoas morressem e enviaram poucas pessoas à prisão, 90 por cento das sentenças eram penitências canônicas" (The Holocaust in Historical Context, 1994). 

Durante o ponto alto da Inquisição espanhola de 1478-1530, os estudiosos descobriram que cerca de 1.500-2.000 pessoas foram declaradas culpadas. A partir desse ponto, existem registros exatos disponíveis de todas as sentenças "culpadas" que somaram 775 execuções. Nos 200 anos completos da Inquisição espanhola, menos de 1% da população teve qualquer contato com ele, pessoas fora das principais cidades nem sabiam disso. A Inquisição não foi aplicada a judeus ou muçulmanos, a menos que fossem batizados como cristãos. 

Se acrescentarmos os números, achamos que toda a Inquisição de 500 anos causou cerca de 6.000 mortes. Essas atrocidades são completamente inexcusáveis. Contudo, esses números estão longe dos que são usados ​​na imprensa popular por pessoas que estão sempre procurando destruir a Igreja. Isso é igual ao número de mortes relacionadas à guerra que ocorreram no Afeganistão e no Iraque nos 2 anos desde que os EUA responderam ao 11 de setembro. 

Outra coisa a notar é que a Inquisição espanhola, de maneira errada, pode ter salvado algumas vidas. Em muitos países europeus do século XVI, as guerras religiosas foram a causa de dezenas de milhares de mortes. Mas na Espanha, havia uma união política e religiosa como resultado da Inquisição, e não houve tal guerra. 

Havia duas principais Inquisições, a Inquisição Medieval e a Inquisição Espanhola. Embora não existam números exatos, os estudiosos acreditam ter estimado as mortes da Inquisição razoavelmente com precisão. Não houve tantas mortes como as reivindicações da imprensa popular. Os números foram frequentemente inflados até 9 milhões pela imprensa popular de cunho esquerdista, com absolutamente nenhuma pesquisa acadêmica. Esta figura é completamente errônea. Uma ampla gama de estudiosos, muitos dos quais não eram católicos, estudaram cuidadosamente as Inquisições. Eles analisaram todos os registros existentes e conseguiram extrapolar. Na Inquisição Medieval, Bernard Gui foi um dos mais notórios dos inquisidores medievais. (Tanto que a indústria de pornografia moderna e doente o transformou em um herói). Ele julgou 930 pessoas, das quais 42 foram executadas (4,5%). Outro Inquisidor famoso foi Jacques Fournier, que julgou 114 casos dos quais 5 foram executados (4,3%). Usando números conhecidos, os estudiosos puderam supor que aproximadamente 2.000 pessoas morreram na Inquisição Medieval. (1231-1400 dC) 

De acordo com publicações, o editor do livro, Prof. Agostino Borromeo, afirmou que cerca de 125 mil pessoas foram investigadas pela Inquisição espanhola, das quais 1,8% foram executadas (2.250 pessoas). A maioria dessas mortes ocorreu na primeira década e metade dos 350 anos de história da Inquisição. Em Portugal dos 13 mil tentados no século 16 e início do século 17, 5,7% foram condenados à morte. Os artigos de notícia não informaram se a maior percentagem de Portugal incluiu aqueles condenados à morte em efígie (ou seja, uma imagem queimada em vez da pessoa real). Por exemplo, o historiador Gustav Henningsen informou que tabulações estatísticas de 50.000 casos registrados tentados por dezenove tribunais espanhóis entre 1540-1700 encontraram 775 pessoas (1,7%) foram efetivamente executadas enquanto outros 700 (1,4%) foram sentenciados a morte em efígie ("El" Banco de Dados do Estado Civil: As relações de causas da Inquisição española, 1550-1700 ", BRAH, 174, 1977). O historiador judeu Steven Katz comentou sobre a Inquisição Medieval que "na sua totalidade, a Inquisição do século XIII e XIV fizeram com que poucas pessoas morressem e enviaram poucas pessoas à prisão, 90 por cento das sentenças eram penitências canônicas" (The Holocaust in Historical Context, 1994). 

Durante o ponto alto da Inquisição espanhola de 1478-1530, os estudiosos descobriram que cerca de 1.500-2.000 pessoas foram declaradas culpadas. A partir desse ponto, existem registros exatos disponíveis de todas as sentenças "culpadas" que somaram 775 execuções. Nos 200 anos completos da Inquisição espanhola, menos de 1% da população teve qualquer contato com ela, pessoas fora das principais cidades nem sabiam que ela existia. A Inquisição não era aplicada a judeus ou muçulmanos, a menos que estes fossem batizados se tornando cristãos-novos. 

Se somarmos todos os números, encontramos que toda a Inquisição em seus 500 anos causou cerca de 6.000 mortes. Essas atrocidades são completamente inexcusáveis. Contudo, esses números estão longe dos que são usados ​​na imprensa popular por pessoas que estão sempre procurando destruir a Igreja. Isso é igual ao número de mortes relacionadas à guerra que ocorreu no Afeganistão e no Iraque nos 2 anos desde que os EUA invadiram a região por ocasião do 11 de setembro. 

Outra coisa a notar é que a Inquisição espanhola, de maneira errada, pode ter salvado algumas vidas. Em muitos países europeus do século XVI, as guerras religiosas foram a causa de dezenas de milhares de mortes. Mas na Espanha, havia uma união política e religiosa como resultado da Inquisição, e não houve tal guerra. Em outras regiões não haviam tribunais e a inquisição era requisitada pelo próprio povo para fins não religiosos, mas julgamentos criminais e civis. 

No entanto, as torturas da Inquisição e a morte eram inexcusáveis. Eu ecoo a voz de João Paulo II "Perdoa-nos o Senhor, nunca mais" 

Finalmente, o diretor do Instituto Italiano de Estudos Ibéricos explicou algumas mudanças na historiografia sobre o assunto. "Desde o século XVI, quando os protestantes começaram a circular panfletos contra a inquisição espanhola, até a última metade do século XX, a Inquisição foi uma questão controversa. Alguns usaram para atacar a Igreja, e outros responderam com desculpas que atingiram ridículos extremos, como dizer que eles não eram os tribunais da Igreja, mas do estado, o que é falso. " 

"Durante seus primeiros mil anos, a Igreja se opôs à pena de morte. Em seguida, ela a aceitou quase por mais mil. John Paul II pediu desculpas pelo uso da violência. Como os historiadores, não nos correspondem julgar, mas para esclarecer", disse ele.