COMUNIDADE GAY, SUAS CRIANÇAS ESTÃO SOFRENDO

Comunidade gay, eu sou sua filha. Minha mãe me criou com sua parceira do mesmo sexo entre os anos 80 e 90. Ela e meu pai permaneceram casados por pouco tempo. Ela sabia que era lésbica antes de se casarem, mas as coisas eram diferentes naquela época. Foi assim que eu cheguei aqui. Foi complicado, como você pode imaginar. Ela o deixou quando eu tinha dois ou três anos de idade, porque ela queria uma chance de ser feliz com alguém que ela realmente amava: outra mulher.


17 de Março de 2015


Querida comunidade gay, seus filhos estão sofrendo.

Meu pai não era um grande cara, e depois que ela o deixou ele não se preocupou em estar por perto. Você se lembra do livro, "Heather Has Two Mommies"? Essa foi a minha vida. Minha mãe, sua parceira, e eu morávamos em uma casinha aconchegante no subúrbio de uma área muito liberal e de mente aberta. Sua parceira me tratava como se eu fosse sua própria filha. Junto com sua parceira minha mãe e eu herdamos os laços de uma comunidade unida de amigos gays e lésbicas. Ou talvez eles me herdaram?

De qualquer maneira, eu ainda sinto que as pessoas homossexuais são o meu povo. Eu aprendi muito com vocês. Vocês me ensinaram a ser corajosa, especialmente quando o tempo é difícil. Vocês me ensinaram a empatia. Você me ensinaram a ouvir. E como dançar. Vocês me ensinaram a não ter medo de coisas que são diferentes. E você me ensinaram a ficar de pé por mim mesma, mesmo que isso significasse que eu estivesse sozinha.

Estou escrevendo para vocês, porque eu estou "saindo do armário: Eu não apoio o casamento gay. Mas isso pode não ser pelas razões que você pensa.

Os filhos precisam de uma mãe e um pai.
"E é só agora, enquanto eu vejo meus filhos amarem e serem amados por seu pai a cada dia, é que eu posso ver a beleza e sabedoria do casamento tradicional e da paternidade."

Não é porque você é gay. Eu amo muito vocês. É por causa da natureza da própria relação homosexual.

Ao crescer, e até mesmo em meus 20 anos, eu apoiei e defendi o casamento gay. É só com algum tempo e a distância de minha infância que eu sou capaz de refletir sobre minhas experiências e reconhecer as consequências a longo prazo que a paternidade do mesmo sexo tiveram em mim. E é só agora, enquanto eu vejo meus filhos amarem e serem amados por seu pai a cada dia, é que eu posso ver a beleza e sabedoria do casamento tradicional e da paternidade.

O casamento do mesmo sexo retém ou um pai ou uma mãe de uma criança ao dizer a essa criança que isso não importa. Dizem que é a mesma coisa. Mas não é. Um monte de gente, muitos de nossos filhos, estão sofrendo. Ausência do meu pai criou um buraco enorme em mim, e eu sofria a cada dia  por uma pai. Eu amei a parceira da minha mãe, mas uma outra mãe nunca poderia substituír o pai que eu perdi.

Eu cresci cercada por mulheres que diziam que não precisavam de um homem. No entanto, como uma menina, eu desesperadamente queria um papai. É uma coisa estranha e confusa ter que andar por aí com essa dor inextinguível e profunda por um pai, por um homem, em uma comunidade que diz que os homens não são necessários. Houve momentos em que me senti tão zangada com meu pai por ele não estar lá por mim, e depois, muitas vezes eu senti raiva de mim mesma por ainda querer um pai. Há partes de mim que ainda sofrem com a perda, ainda hoje.

Eu não estou dizendo que vocês não podem ser bons pais. Vocês podem. Eu também não estou dizendo que ser criado por pais heterossexuais significa que tudo vai acabar bem. Sabemos que existem muitas maneiras diferentes em que a unidade familiar pode quebrar e causar sofrimentos para as crianças: o divórcio, o abandono, infidelidade, abuso, morte, etc. Mas, em geral, a melhor e mais bem sucedida estrutura familiar é aquela em que as crianças estão sendo criadas tanto pela sua mãe quanto pelo pai.

Por que as crianças, criadas em lares homosexual não podem ser honestas?
"Se alguém pode falar sobre coisas difíceis, somos nós."
O casamento gay não busca apenas redefinir o casamento, mas também a criação dos filhos. Ela promove e normaliza uma estrutura familiar que necessariamente nos nega, aos filhos, algo precioso e fundamental. Ele nos nega algo que precisamos e esperamos, enquanto que ao mesmo tempo nos diz que não precisamos o que nós naturalmente anseiamos. Diz que vamos ficar bem. Mas nós não estamos bem. Estamos sofrendo.

Crianças de pais divorciados estão autorizados a dizer: "Ei, mamãe e papai, eu te amo, mas o divórcio me esmagou e tudo tem sido muito difícil. O divórcio quebrou a minha confiança e me fez sentir como se fosse minha culpa. É tão difícil viver em duas casas diferentes". Crianças adotadas estão autorizados a dizer: "Ei, pais adotivos, eu te amo. Mas isso é muito difícil para mim. Eu sofro porque meu relacionamento com meus primeiros pais foi quebrado. Estou confusa e eu sinto falta deles, embora eu nunca os tenha conhecido. "

Mas os filhos criados por homosexuais não tem tido a mesma voz. Não é só comigo. Há tantos de nós. Muitos de nós estão com muito medo de falar e dizer sobre o nosso sofrimento e da dor, porque por alguma razão parece que você, comunidade gay, não está ouvindo. Que você não quer ouvir. Se dissermos que estão sofrendo porque fomos criados por pais do mesmo sexo, ou somos ignorados ou rotulados como um inimigo.

Não se trata de ódio em tudo. Eu sei que você entende a dor de um rótulo que não se encaixa e da dor de uma etiqueta que é usada para caluniar ou silenciar você. E eu sei que você realmente foi odiado e que você realmente foi ferido. Eu estava lá, nas marchas, quando eles seguravam cartazes que diziam: "Deus odeia bichas" e "AIDS cura a homossexualidade." Eu chorei e ferví de raiva ali mesmo na rua com vocês. Mas isso não é comigo. Isso não somos nós.

Eu sei que isso é uma conversa difícil. Mas precisamos falar sobre isso. Se alguém pode falar sobre coisas difíceis, somos nós. Você, comunidade gay, me ensinou isso.



Heather Barwick foi criada por sua mãe e parceiro do mesmo sexo de sua mãe. Ela é uma ex-defensora do casamento gay e se tornou ativista dos direitos das crianças. Ela é uma esposa e mãe de quatro filhos lindos.


Fonte: http://thefederalist.com/2015/03/17/dear-gay-community-your-kids-are-hurting/