JUIZ NOS EUA LEGALIZA BIGAMIA INFORMAL

Tribunal nos EUA considera a  lei contra bigamia como sendo inconstitucional.

Pai de 17 filhos Brown é casado com Meri, e considera a sua relação com as outras três mulheres como sendo " uniões espirituais".

Enquanto todos os estados proíbem a bigamia Utah também proíbe moradores de viver juntos em um relacionamento poligâmico. Brown é membro da Igreja Apostólica Irmãos Unidos, e sustentou diante do juiz que a lei contra a bigamia viola sua liberdade de religião. O interessante do acontecido foi a defesa do advogado de Brown que aliou os bígamistas ideologicamente, nesse ponto vista, com os gayzistas. "Os homossexuais e os polígamos têm um interesse comum: o direito de ser deixado em paz como adultos conscientes ", disse Jonathan Turley, o advogado de Brown aos jornalistas . "Ele tem direito a lei de privacidade que protege todas as pessoas desde que não prejudique os outros . "

Na sexta-feira, o juiz Clark Waddoups, ficou do lado de Brown na determinação de que a proibição de Utah em releção à polígamia violava a Primeira e Décima quarta Emendas e interferirem com o direito à privacidade. O juiz declarou "A privacidade sexual consensual é a pedra fundamental na análise crítica com base racional , neste caso , o tribunal acredita que o requerente está correto em seu argumento de que, ao proibir a coabitação sob o estatuto foi o estado que igualou a conduta sexual privada com o casamento. Portanto, se Brown não pretende se casar com todas as mulheres nem existe a proibição de coabitação  sexual no estado em outros relacionamentos, o tribunal considera a  lei de bigamia do estado como sendo inconstitucional em vários fundamentos", e concluiu "como resultado , e para salvar o estatuto , o tribunal adota a interpretação de ' casar ' e ' pretende se casar, permitindo assim o estatuto de permanecer em vigor a proibição de bigamia , somente no sentido literal ... " Pela interpretação do juiz o casamento civil entre um homem e uma mulher é permitido, o casamento religioso ou o ajuntamento relacional com mais de uma mulher seria permitido.

Brown aplaudiu a decisão do juiz na sexta-feira , em nota onde pediu tolerância de seu estilo de vida polígamo. "Apesar de sabermos que muitas pessoas não aprovam as famílias plurais, é a nossa família e com base em nossas crenças ", escreveu ele. "Assim como nós respeitamos as escolhas pessoais e religiosas de outras famílias, esperamos que com o tempo todos os nossos vizinhos e concidadãos virão a respeitar nossas próprias escolhas, como parte deste maravilhoso país de diferentes credos e crenças. "

Entre tudo que me incomoda, me doi mais saber de uma igreja cristã que permita uniões bigâmicas. Pessoalmente eu abomino a bigamia e o casamento homosexual tanto quanto abomino a ideia do estado interferindo na vida das pessoas quando não há prejuizo às partes. Verdade que muito difere do aborto onde as partes prejudicadas são o bebê e também a mãe. A maldade veio com a revolução francesa, com Napoleão que veio a instituir o casamento Civil para diminuir o poder da igreja que realizava todos os casamentos como religiosos. Penso que casamento deve ser celebrado pela igreja somente, e que esta diante da familia e dos noivos o celebrem, e o estado que fique de fora não interferindo para obrigar ou liberar se não ouver violação à vida e prejuizo às partes, o estado só entraria para julgar em caso de divórcio na divisào dos bens, e apenas, pois quaisquer poderes concedidos ao estado sempre serão em algum ponto usados para oprimir a liberdade do indivíduo. No caso do casamento civil é a liberdade ao culto que entra em jogo. Sou contra o casamento civil gay, uniões bigâmicas assim como também sou contra o casamento civil em todas as suas formas. A igreja local deveria assumir sempre assumir a função de celebrar um casamento religioso suficiente, por fazer parte da comunidade, por expressar e representar a fé das familias.

Por causa do reconhecimento estatal o casamento gay e o bigâmico ganha força enquando o casamento cristão natural entre um homem e uma mulher é atacado em todas as frentes culturais e populares.

Toda a controvérsia que dá força ao o casamento gay e sobre a bigamia só existem por causa do famigerado reconhecimento estatal. Não fora isso a igreja não correria risco de ser punida em acusações de uma discriminação infundada e de correr no risco de ser obrigada pelo estado a casar homosexuais violando a sua própria fé. Devemos cortar o mau pela raiz e vencer o inimigo no seu ponto vulnerável. O casamento civil é raiz do mau que foi plantada por Napoleão que deve ser arrancada antes que os cristão percam suas liberdade de fé, de culto e de conciência.

Reconheço que esseé um assunto complexo e que possui muitos desdobramentos, grande é o seu debate para que a meu argumento possa apenas se resumir nos meus comentários acima.

Wesley Moreira