TOTALITARISMO DA MINORIA IMPEDE CERIMÔNIA DE FORMATURA DE ALUNOS EM IGREJA


Vivemos dias em que o politicamente correto assumiu o papel da democracia na sociedade. Por causa das leis do politicamente correto que dividiu a sociedade entre brancos e pretos, pobres e ricos, homens e mulheres, cidadãos e imigrantes, cristãos e ateus a maioria se tornou refém da minoria barulhenta. As leis de proteção das minorias se tornaram oportunidades de perseguição e dominio contra a maioria.


Em algum lugar da historia a sociedade atual transformou os brancos, os que tem um emprego, os cristãos, os heterosexuais, os mais velhos, pessoas de valores morais, as que possuem bens, nos vilões da sociedade.  

A diretoria da Escola de Enfield foi indiciada judicialmente por pais de alunos orientados e financiados pela Ong ateista 'American Civil Liberties Union', para que deixasse de alugar, como faz tradiconalmente todos os anos, o salão de uma igreja para a realização das colações de grau de seus alunos formandos.

A escola foi processada por que os pais de dois alunos, entre as dezenas de formandos, se opuseram as graduações que eram realizadas tradicionalmente na First Bloomfield Chapel. Os pais, que sabiam de antemão da tradição da escola e mesmo assim matricularam seus filhos ali, argumentaram que ficaram ofendidos com dois banners nas paredes da Igreja nos quais se liam "Jesus Cristo é o Senhor" e "Eu Sou Deus". Segundo acusaram esses pais de dois alunos, eles foram violados em suas garantias de liberdade religiosa, que no caso deles, é a liberdade de não ter nenhuma religião.

A diretoria da escola explicou ao Juiz que a igreja tem o espaço suficiente, o conforto para as familias e o ambiente adequado para a realização das cerimônias por um preço barato. Por isso as cerimônias se realizavam ali todos os anos por décadas. Abaixo imagens do salão e da formatura, notem os dois banners na parede.





A ACLU, grupo ateu que financiou o processo judicial contra a escola, disse que depois dessa decisão do juiz ninguém mais será "forçado em um ambiente declaradamente religioso" para participar de uma manifestação pública de ensino. O grupo ateista, depois de dividir a comunidade local com um problema que não existia antes, disse através de seu diretor executivo Andrew Schneider, que "a decisão do juiz irá unir a comunidade". Piada pronta? 

O juiz federal que emitiu uma liminar impedindo o uso da igreja disse que as graduações dentro de uma igreja são um endosso inconstitucional para a religião. 

Segundo a diretoria da escola as próximas formaturas serão agora realizadas no espaço apertado nas dependências da escola.

Alguém perguntou aos pais dos outros alunos na escola o que eles achavam da cerimonia de formatura da escola ser removida daquele belo local por intolerancia de ateus?

A decisão do juiz foi baseado no politicamente correto que passa o dominio da maioria para um minoria rabugenta. No meu tempo de estudante de segundo grau questões se resolviam por votação da maioria, os dois pais que não discordam que deixem de ir ou se alinhem com a maioria. 

Estamos vivendo os dias da criminalização da moral e dos bons costumes. Está sendo instaurada diante dos nossos olhos o totalitarismo da minoria pelo politicamente correto ou marxismo cultural. 

Pessoalmente creio que estamos apenas no 'início das dores' em breve as pessoas de bem, que são maioria, serão perseguidas por qualquer grupo de deliquentes. 

Wesley Moreira


Fonte: CNSNews