A MORTE DO CRISTIANISMO

O cristianismo está morrendo. O que uma vez foi o bastião da civilização ocidental. o cristianismo é apenas um resquício lamentável da sua antiga grandeza. Por todo ocidente o cristianismo está em plena retirada.

Os escândalos de abuso sexual estão devastando a Igreja Católica e punindo até o Papa. A Igreja Anglicana foi eviscerada, perdendo membros ao sucumbir aos ventos relativistas da ordenação de homossexuais. Muitas denominações protestantes estão abandonando suas crenças e zelo missionário fervoroso para abraçar o ambientalismo chique e o aguado socialismo como um substituto barato para o Evangelho tradicional. A Europa, o antigo bastião da Cristandade, foi transformada em uma cultura pagã secular. Para os europeus, Deus está morto, Ele foi substituído pelo homem materialista.

Essa onda secularista também atingiu e transbordou-se sobre os Estado Unidos da América. Desde 1960, os Estados Unidos têm sido vítimas da revolução sexual que glorifica o hedonismo e a libertação pessoal. A pornografia, aborto, promiscuidade, homossexualidade, as epidemias de AIDS, uniões e nascimentos fora do casamento, o aumento nas taxas de divórcio e a desagregação da família, são os frutos envenenados da filosofia Playboy, a moralidade da MTV está dentro; Jesus está fora.

A guerra travada pelos relativistas contra o cristianismo tomou um nível novo e mais perigoso – que beira a fronteira de um totalitarismo suave. Recentemente na cidade de Davenport, Iowa, tentaram remover a Sexta-Feira Santa do calendário municipal. As Comissões de Direitos Civis tentaram mudar o nome do feriado para um menos "divisionista" e mais ecuménico e politicamente correto. Assim, um memorando foi enviado aos funcionários municipais afirmando que Sexta-Feira Santa seria conhecida oficialmente como "feriado de primavera." Os administradores da cidade salientaram que celebração da sexta-feira santa viola a separação entre Igreja e Estado.

"Nós apenas fizemos uma recomendação para que o nome seja trocado para algo diferente de Sexta-Feira Santa", disse Tim Hart, presidente da comissão. "A nossa Constituição declara que deve haver uma separação de igreja e estado. Como Davenport é uma cidade diversificada e dado aos diferentes tipos de formações religiosas e étnicas que representamos, sugerimos a mudança." Depois de um tumulto criado por cristãos enfurecidos, o conselho municipal decidiu ressuscitar o nome de Sexta-Feira Santa. Os secularistas multiculturais em Davenport foram derrotados - por agora.

No entanto, toda essa controvérsia é um mau sinal: A esquerda está determinada a extirpar os feriados e símbolos cristãos da nossa sociedade. Os relativistas estão determinados a destruir os valores tradicionais cristãos e empurrar o Cristianismo para debaixo da terra. A esquerda americana está seguindo vergonhosamente - e muito mais sangrentamente – os passos dos regimes marxistas. Em vez de erradicar a fé religiosa através do cano de uma arma, os esquerdistas usam ditames burocráticos e propaganda em massa.

O resultado é o mesmo. O cristianismo está gradualmente sendo eliminado em praça pública. Celebrações de Natal passaram a ser ofensivas. Desejar "Feliz Natal" é agora considerado politicamente incorreto, a saudação adequada é Boas Festas. Os Dez Mandamentos não podem ser mais exibidos em salas de tribunais ou salas de aula. A oração foi banida das escolas públicas. Os cristãos são ridicularizados regularmente em filmes e programas de TV. Os dólares dos contribuintes são usados para subsidiar a "arte" que retrata Cristo de maneira difamatória. Hollywood faz filmes - como "Anjos e Demônios" - que retratam a Igreja como uma instituição repressiva sinistra e primitiva.

Ser um fanático anticristão é o ódio da última moda. É fácil para Christophobes e os relativistas de Davenport, implicar com a Sexta-feira Santa. O que de pior lhes poderia acontecer? Telefonemas irados e e-mails? Reuniões na Câmara Municipal? Talvez até protestos públicos? Mas, no final, os comissários progressistas perceberam que não pagarão nenhum preço - na verdade, eles serão celebrados pelas elites relativistas por seus "ideais iluministas."

As mesmas normas não se aplicam ao Islamismo. Os multiculturalistas de Davenport nunca se atreveriam a retirar, digamos, o Ramadã do calendário e renomeá-lo "mês de jejum", por medo de ofender os muçulmanos - e, possivelmente, provocar uma guerra santa. A autopreservação e a covardia previnem-nos de atacar certas religiões.

Os cristãos, porém, são um alvo fácil pois não acreditam em jihad ou em atentados suicidas. Ao contrário dos islamitas radicais, que defendem o Estado de direito e direitos de sua religião, aceitam a perseguição, até perseguição sancionada pelo Estado como parte de seu jugo religioso. Os relativistas perceberam que o cristianismo é uma verdadeira "religião de paz." e por isso não temem  nos perseguir sistematicamente.

Os pais-fundadores dos EUA enfatizaram que a república constitucional dependia de uma sociedade vigorosamente religiosa. "Nossa Constituição foi feita apenas para um povo de moral religiosa, é uma constituição totalmente inadequada para o governo de qualquer outro povo." Disse um dos fundadores dos EUA, John Adams.

Os Pais Fundadores não eram secularistas. Pelo contrário, eles eram devotos cristãos (com exceção de alguns deístas como Thomas Jefferson, que temiam uma igreja Institucionalizada como a Igreja da Inglaterra - que perseguiu seus dissidentes). Eles considerariam bizarro e repulsivo como o conceito da separação entre Igreja e Estado foi distorcido em nosso tempo para uma forma secular e radical de anti-cristianismo.

A nossa herança judaico-cristã fornece as bases para o nosso governo constitucional, por uma razão simples: ela reconhece a natureza transcendental do homem. Nossas liberdades fundamentais fluem do Deus todo-poderoso - e não do Estado. É por isso que os direitos individuais - à vida, liberdade e propriedade - são os baluartes essenciais contra o poder do governo. O que Deus tem dado, nenhum homem, ou regime, pode tirar. Uma vez que percamos a nossa identidade cristã, iremos inevitavelmente perder nossas liberdades.

A Cristofobia constitui a base do liberalismo moderno. Progressistas de esquerda estão determinados a destruir os valores tradicionais e suas instituições seminais: a Constituição, o capitalismo, a soberania nacional e da família. É por isso que eles declararam guerra ao cristianismo. Se os cristãos não se levantarem de sua apatia contra essas barricadas ideológicas eles serão empurrados para as catacumbas, mais uma vez.

Devemos corajosamente nos opor contra qualquer um que tente nos roubar de nossa herança cristã. Precisamos identificá-los como praticantes de uma das menos aceitáveis formas de intolerância e ódio: a Cristofobia. O nosso direito de abraçar a Cristo não é menor do que o direito deles de abraçar um estilo de vida perverso.

Artigo de Jeffrey T. Kuhner, colunista do The Washington Times e presidente do Instituto de Edmund Burke, A Washington think tank. Ele é o anfitrião do diário "Show Kuhner" na WTNT 570-AM (www.talk570.com) do meio-dia até três horas.

Tradução de Wesley Moreira